A Internet das Coisas (IoT) é uma tendência sem volta.

 

Pense bem: seu smartphone é uma “coisa”, se conecta a web; seu tablet é outra “coisa” que se conecta a internet; até as vending machines do seu escritório se conectam à rede para processar o pagamento.

De fato, a inovação promovida pela IoT é uma das ondas mais atraentes em termos de tecnologia. Os consumidores querem adotar as coisas conectadas. Logo, as empresas buscam oferecer experiências de conexão associadas aos seus produtos e serviços.

Porém, toda novidade vem com um preço. E o preço da segurança deve ser considerado com cuidado, por um motivo especial: os dispositivos da IoT potencialmente reúnem informações de todo tipo sobre seus usuários. Outra razão é que qualquer dispositivo conectado pode ser uma porta de entrada para o seu ambiente, se não estiver devidamente protegido.

  • RAZÃO 1: 8.4 bilhões de “coisas” conectadas estão em uso

A previsão do Gartner [1] para o ano de 2017 indica que existem mais “coisas” do que pessoas no mundo (7,8 bilhões [2]). Imagine o volume de informações coletadas por estes dispositivos. Então, fica a pergunta: como a privacidade das informações é garantida?

  • RAZÃO 2: 80% dos dispositivos IoT não são testados

Na corrida por lançar novas inciativas de IoT, a segurança ainda não está na lista de prioridades do escopo de desenvolvimento da maioria das aplicações, segundo o Ponemon Institute [3]. Por outro lado, potenciais riscos aumentam – como malware, recrutamento de botnets e até ataques de ransomware.

  • RAZÃO 3: Vazamento de dados é uma preocupação crescente para as empresas

A privacidade de dados é um tema quente na indústria de tecnologia. A IoT está no centro deste desafio. Não é à toa que o gasto global com a segurança dos dispositivos conectados deverá chegar a $1.5 bilhões até o final de 2018 [4].

Como minha empresa deve se preparar para a IoT?

  1. Mapeie ativos

Isso se aplica a qualquer dispositivo que se conecte à internet.

Em primeiro lugar, identifique novos ativos que requerem acesso ao seu ambiente. Audite redes, aplicativos e protocolos de segurança com um scanner de vulnerabilidades.

Uma segunda etapa é escanear todos os dispositivos, estressando potenciais vulnerabilidades. Conhecendo seu ambiente, e classificando os riscos, a tomada de decisão é mais segura. Quais dispositivos IoT podem estar conectados ao seu ambiente? Se é permitido, quais são as medidas de segurança necessárias para endereçar possíveis brechas?

  1. Gerencie dispositivos

Se um dispositivo solicitar conexão com o seu ambiente e for permitido, então é sua responsabilidade administrá-lo, pois eles podem criar vias de acesso às suas informações.

Identifique os tráfegos desde os dispositivos. Mapeie comportamentos. Obrigue o dispositivo a autenticar e aplique a proteção de firewall para qualquer requisição em rede.

Se o objetivo da sua empresa é abraçar a IoT, é preciso avaliar como estes dispositivos estabelecem conexões, como validar estas conexões, como proteger os dados em trânsito. Todas estas medidas ajudarão a proteger contra ameaças como malware, botnets e DDoS.

Quer saber mais sobre os desafios da Internet das Coisas? Veja o Whitepaper Gratuito da Blockbit e aprenda a defender seus dados.

[1] 8.4 Billion Connected “Things” Will Be in Use in 2017
[2] Current World Population
[3] 80% of IoT apps not tested for vulnerabilities
[4] Worldwide IoT Security Spending Will Reach $1.5 Billion in 2018

Com mais de 3.000 clientes, Blockbit é a maior fabricante de soluções de cibersegurança do Brasil e pode auxiliar você a proteger o seu negócio das mais diversas ameaças, vulnerabilidades e ataques cibernéticos, sejam internos ou externos, genéricos ou direcionados.

Quer saber mais? Entre em contato com a gente pelo e-mail contato@blockbit.com, pelo telefone (11) 2165-8888 ou pelo WhatsApp (11) 5039-2127 e conheça nossas soluções.